“Se existe alguma coisa a respeito da qual se deva fazer exatamente o oposto do que o governo e a mídia lhe dizem para fazer, essa coisa é investir em ouro”. Robert Ringer

 - O Ouro é um dos ativos financeiros mais antigos, de altíssima liquidez e segurança.

Em momentos de crises internacionais, é fortemente utilizado como reserva, o que faz com que seu preço dispare nas bolsas de valores.


O Brasil é o décimo terceiro maior produtor de Ouro, com produção de 66 toneladas em 2011. O IBRAM - Instituto Brasileiro de Mineração estima para 2012 uma produção de 70 toneladas.

 

A China é a maior produtora, com 355 toneladas (13,14% da produção mundial), seguida pela Austrália com 10%, pelos EUA (8,77%) e pela África do Sul (7,03%), segundo dados do USGS.


Principais empresas produtoras no Brasil são:  Kinross (29%), AngloGold Ashanti (22%), Yamana Gold (17%), Jaguar Mining (7%) e outras empresas (13%). Garimpos produzem 12%.
 

Segundo o DNPM, no Brasil, os principais Estados produtores são: MG (64%),GO (11%), BA (11%) e PA (3%).
 

O consumo de Ouro no Brasil tem aumentado nos últimos anos.


O Ouro está presente neste consumo não só na parte de joalheria, como também em componentes eletrônicos, peças de computadores, tablets e notebooks, celulares, peças para a indústria automobilística, na área hospitalar e odontológica, como também em componentes da construção civil. Além do fato que o Brasil faz uso da reciclagem de metais, e no Ouro chega-se a reutilizar 10 toneladas/ano.

Reservas


As principais reservas de Ouro estão localizadas na África do Sul (6 mil toneladas), correspondendo a 11,7% do total mundial que é de 51 mil toneladas. As reservas lavráveis de Ouro no Brasil alcançam 2,6 mil toneladas ou 5% das reservas mundiais do minério, distribuídas nos estados do Pará (42,7%), Minas Gerais (28%), Mato Grosso (6,9%), Goiás (5%), Bahia (4,5%) e outros (12,9%).


• Reserva Brasil 2011: 2.600 mil toneladas
• Total mundial: 51.000 mil toneladas (USGS – 2012)


Exportação


A exportação de Ouro em barras atingiu um recorde (em valores) em 2010, trazendo divisas ao País de quase US$ 1,8 bilhão, e em 2011 de US$ 2,2 bilhões. Em termos de geração de divisas para o Brasil, o Ouro é o segundo mais importante mineral de exportação, atrás apenas do Minério de Ferro. Os países que importam Ouro do Brasil são Reino Unido (45%), Suíça (32%), Emirados Árabes (12%), Estados Unidos (9%) e Canadá (2%).

 

A produção global de ouro deve aumentar para 3,1 mil toneladas métricas no próximo ano e para 3,3 mil toneladas métricas em 2017, de acordo com o relatório “Global Gold Mining to 2020”. O documento, produzido pelo RnR Market Research, apresenta as principais tendências para o mercado de ouro até 2020. O Brasil foi o 19º maior produtor do metal no ano passado.

A produção de ouro global em 2013 foi de 2.804 toneladas métricas, um aumento de 4% em relação a 2012. Com base na previsão feita pelo relatório, a produção de ouro aumentaria em 10,5% no ano que vem e 17,6% em 2017, na comparação com 2013.

A expectativa do US Geological Survey (USGS) é de que muitos projetos de ouro espalhados pelo mundo entrem em operação até 2020, fator que aumentaria a produção global do metal. A previsão do “Global Gold Mining to 2020” é de que taxa de crescimento anual composta (CAGR) esteja em 2,5% até 2020. O destaque é para o crescimento da demanda por ouro no mercado de joias na Ásia.

O relatório abrange dados históricos e previsões globais para a produção de ouro em 2020, incluindo a produção dos principais países, reservas por teor e geografias, preços e despesas com tratamento e refinamento de minério. O “Global Gold Mining to 2020” também fala sobre os fatores que podem influenciar a indústria, apresenta os perfis das principais mineradoras de ouro, com informações sobre as atividades, desenvolvimento e exploração dos projetos dessas companhias.

Os 20 principais países produtores, além do Brasil, são China, Estados Unidos, Austrália, Rússia, África do Sul, Peru, Indonésia, Gana, Canadá, Cazaquistão, Tanzânia, Papua-Nova Guiné, Uzbequistão, Filipinas, Mali, México, Colômbia, Argentina e Chile.

De acordo com o relatório, a indústria do ouro contribui para o crescimento da economia dos países mencionados à medida que novos investimentos na mineração do metal estão aumentando a produção, com o planejamento de novos projetos para o período de 2014 a 2020.

Entre os itens destacados pela RR Market Research, está a questão do teor de ouro ter sofrido queda nos últimos anos. O teor de minas produtoras de ouro no mundo variam de 0,1 grama por tonelada de ouro a 32,8 gramas por tonelada de ouro.

O “Global Gold Mining to 2020” faz uma análise geral da mineração de ouro, apontando os fatores principais e obstáculos que podem afetar a indústria. O documento também tem informações sobre reservas, produção, preços e cenário competitivo.

 

Fonte: IBRAM - Instituto Brasileiro de Mineração